Arquivo por Autor

Gravidez Precoce

Adolescente grávidaA solução está na prevenção.

A sexualidade ainda é um tabu entre pais e filhos, na verdade, adultos e jovens em geral. É impossível negar que uma maioria esmagadora das mães adolescentes gostariam de ter se prevenido, ou ao menos esperado mais para começarem uma família. Mas como perguntar sobre prevenção sexual aos pais se estes se negam a cogitar a hipótese de ter uma filha sexualmente ativa? Algumas têm até medo de marcarem uma consulta ginecológica.

Com a questão do aborto proibido no Brasil, a garota – e em alguns casos, o pai da criança – se vê encurralada entre duas opções. Abrir mão de parte do seu futuro para dar continuidade à gravidez, ou então arriscar sua vida em um aborto clandestino.

O que realmente importa nesse assunto não é o que deve ser feito depois do erro, e sim como conscientizar os jovens que frequentemente o cometem de que é possível evitá-lo. Não é necessário abordar um tema que depende da ética, como o aborto. Apenas se prevenir.

Existem vários tipos de anticoncepcionais, opções para que cada casal se adapte. Alguns sentem-se mais seguros usando dois em conjunto, como a pílula e a camisinha. O importante é se preocupar com isso, e ver a prevenção como uma parte importante de qualquer relacionamento. Tão indispensável quanto qualquer aspecto da relação,  a sexualidade representa algo ainda maior. Porque o seu futuro passa a depender da sua responsabilidade, algo com que você provavelmente nunca lidou antes.

A sexualidade é, portanto, parte da sua vida adulta. E não há problema em começá-la antes disso. Só esteja preparado para agir com maturidade, pois caso contrário, consequências surgirão. E pessoas que lidam com essas consequências apresentam gráficos assustadoramente grandes no Brasil.

Tudo depende de nós, da comunicação e da conscientização. Preste atenção neste assunto. Leve-o a sério. Porque gravidez na adolescência  não é brincadeira de criança.


Solidariedade

A independência é um conceito muito relativo nos dias de hoje. Você sempre dependerá de outro alguém. Porque para ter sua comida, depende de quem produz, quem transporta e quem te vende, e para ter sua água depende de quem canaliza, de quem trata, quem distribui e por aí vai. Isso sem tocar nos assuntos que certamente seriam considerados supérfluos – mas que muitos de nós não viveríamos sem.
Essa ideia de corrente chamada de solidariedade. A solidariedade que falo até agora é a capitalista, remuneirada. Afinal, você não paga os tostões que paga mensalmente apenas por gentileza à Sabesp, correto? Mas penso eu que essa solidariedade é transferível para outras áreas. E que se a comida e a água são necessárias para a sobrevivência, a troca de favores entre pessoas é necessária para a felicidade e para o funcionamento da sociedade.
Ao ajudar seu vizinho com a mudança, você não está simplesmente carregando móveis. Neste ato hipotético, acaba por estabelecer duas coisas. Primeira, que certos atos gentis ainda existem. E segunda, que seu vizinho terá alguém para pedir ajuda quando precisar, da mesma forma que você irá pedir a ele caso seja necessário.
Essa ligação existe em todo tipo de situação, e acontece a todos a chance de ajudar ou não outra pessoa, pelo menos uma vez ao dia.
Sendo solidário, você alimenta a sociedade, e só tem a ganhar com isso. Não podemos todos ser altruístas, eu concordo, e nem sê-lo o tempo inteiro. Mas pense nisso como algo para benefício próprio, além de todos os bens a longo prazo e a felicidade geral da nação. Ajudando alguém, quem quer que seja, você facilita uma dificuldade que poderia ser sua. E que certamente algum dia será. E esta pessoa a quem prestou serviço – ou até mesmo outra, com o mesmo bom intuito que o seu – irá te estender a mão quando seu dia chegar. E ele vai chegar.
Não conte com a ajuda alheia. Ajude. No dia em que pensarmos todos assim, não haverá mais frustrações. E deixando de lado as utopias, se tivesse a chance de falar ao mundo, diria para que fossem solidários. Porque esta é uma característica que se aplica a todas as áreas da vida, e com ela presente, tudo é possível. Capitalismo. Uma mudança. Um mundo melhor.



Argumentação

A argumentação é uma das características mais importantes na relação entre pessoas. Talvez porque hoje em dia todos sejamos orgulhosos, teimosos e talvez até um pouco arrogantes isso não seja uma opinião muito popular. Na minha opinião, driblar as primeiras três características ajudariam bastante na manutenção de uma conversa. Ou só eu reparo que toda argumentação vira discussão a certo ponto?
Isso é uma grande perda, para ambos os lados da história. Argumentar é a maneira mais fácil de se obter conhecimento. Você não precisa abdicar seu ponto de vista e adotar o oposto, apenas entender ambos. Argumente também. Transforme o que antes seria um desentendimento em uma divisão de conhecimento.
Não é necessário dizer que reciprocidade ajuda. É impossível aprender ou ensinar o que seja com quem não está disposto a fazer o mesmo. Nesse caso, seja menos agressivo em suas iniciativas e introduza a ideia de que divergências de opiniões são comprovadamente inevitáveis. Ninguém pensa da mesma maneira.
Você pode discordar do que digo, e me xingar muito no twitter. Xingar com X, por favor. Só saiba que por experiência própria passei a adotar sempre a política da reciprocidade. E que aprender com outras pessoas (as que tem algo para ensinar, obviamente) é uma das coisas que mais gosto de fazer.
Esteja disponível e arraste os outros consigo. Unanimidade é utópica, afinal o mundo é um lugar estúpido… Mas o seu mundo não tem de ser. A estupidez do seu círculo social depende de você.
Algo que pode ser evitado.

Ateus, entendam seus direitos.

Deus é um conceito universal. Não importa onde você vá, com quem fale ou a qual religião o dito cujo pertença, a ideia de uma “força maior”, sendo esta criadora ou controladora do mundo cotidiano é sempre conhecida, e na maioria das vezes encorajada. E mesmo assim, há diferenças entre elas. Eu pessoalmente acho que com toda diferença que eventualmente apareça entre pessoas deve nascer um respeito por ela, um respeito mútuo pela opinião paralela à sua.

Você, religioso. Mantenha a mente aberta e reflita. Se toda a sua crença, tudo o que você acredita, sendo extremamente adepto ou apenas provido de um pouco de fé, fosse ridicularizado… O que você faria a respeito? Que argumentos comprovam a existência de seu Deus? Nenhum, é óbvio. Assim como nenhum argumento comprova que Deus não existe. E neste momento, tudo o que você tem a fazer é defender o seu direito de crer no que quiser, acreditar no que lhe soar certo, e existem até leis para proteger esse direito, como qualquer outro!

Você. Você mesmo. Quando encontrar um ateu, alguém que teve a audácia e coragem de admitir que vai contra a corrente, respeite-o. Não há nada mais hipócrita e desumano do que a falta de respeito. Certa vez disse o novo vlogger do momento, o tal Felipe Neto… “Eu tenho que receber emails falando ACEITE JESUS e respeitar. Mas e se eu começar a mandar emails pregando o ateísmo? Vão me respeitar?”

Pense. Você não precisa ser ateu, acredite no deus que lhe servir… Mas deixe nossos demônios pessoais em paz, porque ateus também não acreditam na Santa Paciência.